16 de MARÇO de 2017 | Fonte: Campograndenews

Governo confirma corte no ponto de professor que faltou para protestar

Foto Dilvulgação

Professores da rede pública estadual de ensino de Mato Grosso do Sul que protestaram contra a reforma da Previdência, nesta quarta-feira (15), e portanto não compareceram às salas de aula, terão o dia não trabalhado descontado na folha de ponto. A confirmação foi dada nesta tarde pela SED (Secretaria de Estado de Educação).

A decisão, divulgada pelo Governo do Estado, mantém o que havia sido prometido pelo governador, Reinaldo Azambuja (PSDB), que no dia 9 de março havia anunciado o corte no ponto. "Não vamos abrir mão disso. Já disse a Fetems [Federação dos Trabalhadores em Educação] que tem outros meios de se manifestarem sem prejudicar os alunos”, disse ele, na ocasião.

A secretaria informou que ainda não há levantamento de quantos professores aderiram à manifestação. Hoje, são 12 mil profissionais da educação concursados, enquanto outros 8 mil são comissionados, totalizando 20 mil na rede estadual.

Em todo o Estado, são cerca de 500 mil estudantes em todo o sistema público de ensino, incluindo as redes municipais. Em torno de 270 mil são da rede estadual.

Em Mato Grosso do Sul, apenas as escolas Amélio de Carvalho Baís, Lúcia Martins Coelho, Luísa Vidal Borges Daniel, CEEJA Ignês de Lamônica Guimarães e Coração de Maria tiveram aulas normalmente. Na escola Advogado Demonsthenes Martins, as aulas foram interrompidas apenas no período da manhã. Ambas ficam em Campo Grande.